27 abril 2011

Resumo da história de Bob - parte 2

Á medida que sua moléstia progredir sua pressão arterial subirá e sua depressão aumentará. O beber não cessará; ao invés, se tornará um problema cada vez maior,causando dificuldades no lar, no emprego e com os filhos. Seu coração, fígado e sistema nervoso começarão a funcionar menos efetivamente. Ele será hospitalizado de tempos em tempos em consequência de várias complicações causadas por excesso da bebida.  Ele sofrerá numerosos acidentes - caindo de escadarias ou de uma escada de mão, dirigindo o carro contra uma árvore, tomando doses excessivas de soporíficos ou tranquilizantes - e um desses acidentes poderá matá-lo. Poderá cometer suicídio. Ou, por fim, poderá morrer de "envenenamento alcoólico agudo",cirrose do fígado, insuficiência cardíaca ou respiratória,pneumonia ou infecção. A maioria dos alcoólatras morre de 10 a 12 anos mais cedo que seus amigos não alcoólatras. A maioria jamais recebe tratamento por sua moléstia primária de alcoolismo. As certidões de óbito tipicamente declararão "insuficiência cardíaca"como causa da morte. As chances são que ninguém - médico, assistente social,membro da familia ou alcoólatra - diagnosticará a causa do problema como a dependência do álcool.  Enquanto milhares de alcoólatras como Bob morrem a cada ano, cientistas, médicos e especialistas profissionais do alcoolismo discutem infindavelmente sobre a natureza da moléstia-incluindo psícologos, psíquiatras,médicos,nutricionistas,biólogos,neurofisiológicos,bioquímicos,antropólogos e sociólogos - afundam em um atoleiro de conflito e confusão,assumindo opinião preconceituosa,auto-interesse e uma profunda desconfiança pelos demais no campo. Estes profissionais não podem concordar sobre as causas da moléstia, como deve ser tratada ou como pode ser prevenida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário