27 abril 2011

Resumo da história de Bob - parte 3

O problema é mais profundo que uma discordância superficial entre eruditos. Aqui espreitam os sentimentos violentos. Ódio, desconfiança e preconceitos abundam. Inseguranças profundas e brigas de longo tempo se acham em combustão. Cada cientista ou equipe de pesquisa parecem estar trabalhando em um compartimento estanque, esquecidos do trabalho efetuado pelos outros que estão fora de seu campo especial.  Os cientistas no laboratório acusam os clínicos, que trabalham diretamente com alcoólatras, de ignorar dados científicos e conformarem-se a tratamentos antigos e desatualizados. Os clínicos acusam os cientistas de colocarem de lado todas as experiências de primeira-mão com os alcoólatras como "não científicas" e, portanto, inválidas. Os administradores do governo esbravejam contra os cientistas por sua "arrogância intelectual", ao passo que os cientistas acusam os burocratas de favorecerem manias e interesses especiais. Os psíquiatras se lamuriam por serem deslocados de suas posições de terapeutas principais por uma nova onda de paraprofissionais especificamente treinados em diagnose e tratamento de alcoolismo. Estes cismas profundos e penosos foram dramatizados em uma conferência recente que reuniu eminentes pesquisadores e clínicos para discutirem as prioridades da pesquisa sobre o álcool. Mais as prioridades de pesquisas foram colocadas em segundo plano, enquanto os profissionais despenderam três dias tentando desemaranhar as confusões, hostilidades e profundas divergências que assolam o campo. 
fonte: alcoolismo - mito e realidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário