14 maio 2011

Alcoolismo - Delírio e Morte


Alcoolismo: Vício, Delírio e Morte

Um motorista embriagado, mesmo que se sinta lúcido, terá seus reflexos psicomotores desorganizados, por isso é um suicida e um criminoso em potencial, ainda que involuntário. O modo como o álcool afeta o comportamento humano varia de indivíduo para indivíduo. Mas pode-se saber as diferentes taxas de concentração de álcool no sangue e os efeitos que ela causa.
* No Brasil as leis de trânsito (resolução 476 de 1974) consideram dirigir em estado de embriaguez, quando o nível de álcool no sangue (alcoolemia) for igual ou superior a 0,8g/l ou o nívelde ar exalado (no bafômetro) for 0,00038g/l.
*A porcentagem de álcool encontrada nas bebidas mais comuns são:
cerveja (baixo teor)0,2 a 2
cerveja (médio teor)2 a 4,2
cerveja (alto teor)4,2 a 7
vinho de mesa10 a 13
champanhe10 a 13
licores18 a 24
compostos12 a 20
whisky36 a 24
conhaque36 a 24
bagaceira38 a 24
brandy32 a 40
rum40 a 41
vodka40 a 41
gin40 a 47
tequila40 a 46
pina colada24 a 22
pinga40 a 24 ou mais
Uma dose aproximadamente de 1 ml/kg de etanol absoluto (92 a 99% etanol) geralmente resulta em níveis no sangue de 100 a 120mg/dl. Uma concentração no sangue entre 120 a 300mg/dl já determina sinais e sintomas.
* Veja na tabela abaixo a comparação de sintomas apresentados por bebedores esporádicos e etilistas crônicos de acordo com a variação das concentrações sangüíneas de etanol:
Concentraçãode etanol (mg/dl)Bebedores esporádicosBebedores crônicos
60euforiasem efeitos observados
72gregário e falantenormalmente sem efeito
100sem coordenação; legalmente intoxicadosinais mínimos
122 - 120descontrole episódico, comportamento liberadoeuforia agradável ou início de incoordenação
200 - 220perda do estado de alerta, letargianecessidade de esforço para manter controle emocional e motor
300 - 320topor ou comasonolência e letargia
mais de 200alguns morrerãocoma
* A tabela abaixo relaciona os níveis de etanol sangüíneo e sinais e sintomas de intoxicação:
Nível de etanol sangüíneoNível de intoxicação
20mg/dlleve: diminuição da inibição, leve incoordenação
100mg/dlleve-moderação: diminuição das reações, alteração das habilidades sensoriais, inabilitado para dirigir
120mg/dlintoxicação legal: alteração da personalidade, mudança de comportamento
200mg/dlintoxicação moderada: náusea, vômito, confusão mental, andar cambaleante
300mg/dlintoxicação moderada - severa: fala arrastada, diminuição sensorial, distúrbios visuais
400mg/dlsevera: hipotermia, hipoglicemia, perda do controle muscular, perda da memória, convulsões
700mg/dlpotencialmente letal: inconsciência, diminuição dos reflexos, falência respiratória, morte
Portanto, não há nenhuma vantagem em beber e dirigir: isso não prova a habilidade de ninguém, pode apenas comprovar a ignorância sobre os efeitos do álcool no organismo. Como os centros cerebrais do julgamento lógico são os primeiros a serem afetados pelas bebidas, uma pessoa que bebe quase sempre pensa estar agindo mais sobriamente do que na realidade está.
A Famosa Ressaca
A palavra ressaca é usada para descrever diferentes efeitos posteriores da ingestão de bebidas alcoólicas. O mais comum deles é a dor de cabeça. A maioria das dores de cabeça de ressaca é talvez causada pelo abuso de fumo que geralmente acompanha as noitadas alegres e pelo fato de que os locais em que se bebe são freqüentemente pouco ventilados e cheios de fumaça.
O segundo componente de uma ressaca é o enjôo, o estômago embrulhado. Sua causa é a irritação do revestimento do estômago provocada pelo álcool. Esse efeito pode reduzido se a pessoa come durante ou antes de começar a beber. Os alimentos apenas diluem as bebidas, tornando-as menos irritantes para o estômago, como também atrasam a absorção do álcool na corrente sangüínea.
Mas, quase sempre, uma ressaca é uma combinação de dor de cabeça, náuseas, tontura, letargia (sono profundo) e sensação de estar boiando a uns 12 centímetros do solo. A maioria desses sintomas resulta da desidratação.
O corpo torna-se desidratado depois de uma bebedeira porque o álcool é diurético: estimula os rins a filtrarem a água do sangue. Assim, uma pessoa que bebe elimina mais água na urina do que a quantidade que ingere. Se uma pessoa toma 3 litros de cerveja durante uma noite, ela urina mais de 3 litros de água. Na manhã seguinte seu corpo estará desidratado e o engrossamento do fluido sangüíneo terá ampliado a concentração de vários sais minerais.
Para preveni-los o melhor meio é tomar um litro de água antes de ir para a cama, tomar um remédio para dor de cabeça - de preferência numa forma solúvel para não irritar o estômago. Também ajuda a ingestão de vitamina C, de sucos de tomate ou limonadas, de ostras com limão, etc..
As Conseqüências Drásticas do Alcoolismo
Os principais sintomas do alcoolismo são a deterioração psicológica e física do viciado. À medida que a deterioração psicológica avança, o indivíduo vai perdendo sua capacidade mental, torna-se descuidado e impontual e não pode concentrar-se suficientemente para terminar um trabalho que não gosta de fazer.
A deterioração física freqüentemente começa por tornar gordo e flácido o alcoólatra, mas, nos últimos estágios da doença, ele pode perder peso rapidamente, devido à subnutrição e são efeitos do álcool no fígado. Quanto mais álcool é ingerido, mais irritado se torna o revestimento do estômago e dos intestinos, as células do fígado morrem e são substituídas por um tecido fibroso (cirrose hepática), e a nutrição inadequada pode afetar os músculos cardíacos e os nervos dos braços e pernas. Além disso, como sua resistência orgânica é enfraquecida pelo álcool, os alcoólatras tendem à pneumonia e à tuberculose e a qualquer outro tipo de infecção.
Talvez o mais conhecido dos sintomas do alcoolismo seja o delirium tremens - uma série de alterações agudas e subagudas que ocorrem nos alcoólatras crônicos. Começa com agitação e insônia e se desenvolve em delírio depois de um ou dois dias. Seus sinais mais terríveis são as alucinações que freqüentemente tomam a forma de animais, dos quais a vítima tenta fugir.
O único tratamento realmente efetivo para o alcoolismo é fazer com que o viciado deixe de beber. Os métodos clínicos incluem drogas que, quando ingeridas, provocam no viciado aversão ao álcool. Mas o sucesso dos tratamentos depende muito da decisão do alcoólatra em deixar o vício. Unicamente uma questão de força de vontade que médicos clínicos e psiquiatras podem ajudar.
Lúcia Helena Salvetti De Cicco Editora Chefe
* Informações fornecidas pelo Centro de Controle de Intoxicações da
Unicamp

Nenhum comentário:

Postar um comentário