22 maio 2011

Um cardiologista francês diz estar curado do alcoolismo usando remédio comum : SERÁ ?

Um cardiologista francês conta em livro como se curou do alcoolismo usando um remédio comum contra espasmos musculares (Revista Época)

SOB CONTROLEAmeisen em foto de 2008. Ele tinha deixado de dirigir e de trabalhar por causa da bebida. Agora diz que para no primeiro copo
Foi um apagão de consciência que devolveu a clareza ao cardiologista Olivier Ameisen. Corria o ano de 1997, numa noite fria em Nova York. Dentro de um táxi, o francês radicado nos Estados Unidos abriu os olhos, retomou aos poucos os sentidos e se deu conta do sangue escorrendo pelo nariz – consequência de mais uma de suas bebedeiras. Horas depois, num hospital dos arredores, diz que entendeu de uma vez por todas para onde o alcoolismo o levara: o fundo do poço. Ameisen fora um médico bem-sucedido nos Estados Unidos. Deu aulas na Universidade Cornell, tinha um consultório em Manhattan, tratava de celebridades. Sua história rumo ao vício é como a de muitos. Ele começou com doses aceitáveis de vodca em rodas sociais e, aos poucos, avançou para o descontrole. Aos 44 anos, havia parado de trabalhar e de dirigir. À epifania no hospital, seguiram-se anos de luta diária com a bebida, inúmeras internações e uma série de medicamentos. Nada disso teve resultado. Até que, em 2001, Ameisen deparou numa revista médica com um artigo científico sobre o baclofeno, um relaxante usado no tratamento de espasmos musculares. O remédio havia apresentado resultados animadores na cura de viciados em cocaína.
Desesperado com a própria condição, Ameisen decidiu testar o baclofleno contra o álcool, usando a si mesmo como cobaia. Seu autotratamento com o baclofeno durou dois anos. Agora, aos 56 anos (seis deles sem ter problemas com bebida), Ameisen diz conseguir parar no primeiro copo. Ele se considera recuperado e conta como alcançou a cura no livro O fim do meu vício, que acaba de chegar às livrarias brasileiras sob o selo Fontanar. “Eu quero partilhar minha experiência com outras pessoas que sofrem do mesmo pesadelo e que podem ter a vida salva”, disse a ÉPOCA.
Segundo o Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), 30 milhões de brasileiros bebem em excesso, ou seja, tomam quantidades suficientes de álcool para ter problemas de saúde ou de outra espécie, como brigas e acidentes com automóveis. Desses que bebem demais, 22 milhões são considerados alcoólatras, o equivalente a 12% da população do país. “É um problema comum, recorrente e que destrói famílias”, diz Arthur Guerra, presidente do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa).
Segundo a definição médica, alcoólatras são as pessoas que bebem com frequência, independentemente de horário, local ou motivação. Elas não lutam contra o vício. Pelo contrário, acham que alcoolismo não é doença. Os médicos consideram dependentes as pessoas que tomam qualquer tipo de bebida, desmaiam com regularidade e se lembram pouco (ou nada) do que ocorreu enquanto embriagadas. Tradicionalmente, são os homens que bebem assim (a cada quatro que fazem uso de álcool no Brasil, um se torna dependente), mas a atenção de especialistas se volta agora para o sexo feminino. Em dez anos, aumentou em 50% a quantidade de mulheres brasileiras que bebem mais do que seria recomendável. Estima-se que 7,3% do PIB brasileiro é gasto em consequência de problemas relacionados ao álcool – desde o tratamento das condições médicas até a perda da produtividade decorrente de seu uso. No mundo, a Organização Mundial da Saúde mostra que o consumo abusivo de álcool é responsável por 3,7% das mortes e 4,4% das doenças.
Apontado por Ameisen como a libertação do vício, o baclofeno atua sobre uma área do cérebro que os neurologistas chamam de “sistema GABA”, responsável pelo controle da ansiedade. É a mesma em que o álcool exerce seus efeitos. Logo nos primeiros goles, a pessoa se sente mais relaxada e desinibida. Se ela chegou a uma festa ansiosa, com medo de ser criticada ou de estabelecer relações, uma pequena dose já vai torná-la menos preocupada com a opinião alheia. O baclofeno reproduz essa química, engana e satisfaz o cérebro e, com isso, o consumo pode ser controlado ou extinto. Essa, ao menos, é a teoria proposta por Ameisen. Ele afirma que mais de 400 pessoas já foram tratadas com o medicamento e que o porcentual de cura chega a 85%.
Na prática, não parece ser tão simples. O especialista Ronaldo Laranjeira, coordenador da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas da Unifesp, testou o baclofeno numa amostra limitada, mas diz não ter obtido resultados. “Ele só precisa aumentar as doses”, recomenda o francês Ameisen. Os brasileiros ingeriram uma quantia cinco vezes mais baixa que o cardiologista, que chegou a tomar 300 miligramas diariamente. Embora embrionário, o interesse pela droga começa a ganhar corpo por aqui. Um grupo da Universidade de São Paulo (USP) pretende testá-la em 150 dependentes sadios. Se aprovado, o projeto deverá ser concluído em três anos. “É um medicamento interessante e seguro, mas que precisa ser experimentado por uma grande população”, diz Danilo Baltieri, coordenador de pesquisas do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas da USP.
Outros remédios já foram, no passado, apontados como a salvação dos dependentes. Princípios ativos considerados promissores, como o dissulfiram, o topiramato e a naltrexona (leia abaixo), mostraram ter eficácia limitada – que varia de paciente para paciente. “Existem avanços, mas não há uma medicação que sirva para todo mundo”, afirma Ronaldo Laranjeira. “O alcoolismo é uma doença complexa. Cada um responde de uma forma diferente a determinada substância.” A Novartis, laboratório que fabrica o baclofeno no Brasil com o nome comercial de Lioresal, sabe do uso da substância no combate ao alcoolismo, mas, por ora, não pretende investir em pesquisas próprias nessa área e tampouco cogita pedir aprovação da Anvisa para incluir na bula do Lioresal a indicação contra o alcoolismo. A menos que a campanha de Ameisen a faça mudar de ideia.

DissulfiramNaltrexonaTopiramato
Nome comercialAntietanolReviaTopamax
Como ageCausa sensação desagradável no paciente que ingere a bebida e ajuda na prevenção das recaídas. Pode provocar vômito e cansaço. A reação pode evoluir para confusão mental e, em casos mais graves, levar à morteDiminui o prazer proporcionado pelo álcool e a ocorrência de recaídas. Foi a primeira substância a atingir a essência do alcoolismo: o desejo. A bebida se torna sem graça para o paciente em tratamentoOriginalmente usada no tratamento de epilepsia, a droga diminui o prazer proporcionado pelo álcool e reduz a chance de recaídas
Desde quandoUsado a partir de 1951, foi o primeiro aprovado pelo fda para tratar o alcoolismoAutorizado para o tratamento de dependentes em 1995No mercado desde 2000, ainda não tem aprovação do fda
Fonte: Arthur Guerra, presidente do Centro de informações sobre saúde e álcool (CISA)
Promessas de cura
Apontados como a solução para o alcoolismo, medicamentos apresentam resultados limitados

Nenhum comentário:

Postar um comentário