12 junho 2011

Robin Willians e o alcoolismo


Robin Williams: “Eu era uma vergonha, fiz coisas repugnantes”

Ator falou sobre o vício em álcool e cocaína a um jornal inglês

Para quem se acostumou com o ator Robin Williams fazendo milhões de espectadores rir de suas comédias e filmes infantis, como Hook - A Volta do Capitão Gancho e Patch Adams, não deixam de ser chocantes as revelações que ele fez hoje ao jornal inglês The Guardian. “Eu era uma vergonha. Fiz coisas repugnantes e agora é difícil recuperar o que perdi e voltar atrás”, disse ele ao se referir ao vício do álcool e cocaína, para o qual recaiu desde 2003 e só recentemente vem conseguindo curar-se.

A entrevista ao Guardian, por ocasião da divulgação do seu novo filme, World’s Greatest Dad(sem data de lançamento previsto no Brasil), em que, segundo o crítico do jornal o ator retorna à grande forma com uma atuação impecável na pele de um escritor e professor fracassado,às voltas com uma turbulenta relação com o filho adolescente viciado em pornografia na internet que morre acidentalmente. O luto do pai é devastador. 

Perguntado se já havia passado por uma situação tão dolorosa na vida real, Williams relembrou o tratamento longo e a morte do ator Christopher Reeve, o eterno Superman, seu melhor amigo, que morreu em 2005 vítima de paralisia fruto da queda que sofreu de um cavalo. Em seguida, ainda falando sobre situações limites, mencionou o vício em cocaína e o alcoolismo para o qual retornou em 2003, mais de vinte anos depois de se ver livre, durante uma temporada no Alasca. “Eu estava no fim do mundo e pensei que beber pudesse me ajudar a suportar tanto trabalho. Jamais deveria ter feito isso. Na primeira semana você acha que vai conseguir parar, na segunda também, até que se passaram três anos para eu sair dessa situação”. A cocaína veio junto.

O ator foi internado pela família numa clínica de tratamento para viciados em 2005 e até hoje freqüentas sessões dos Alcoólicos Anônimos. Williams ainda se mostrou melancólico com a cirurgia cardíaca a que foi submetido ano passado, e disse que foi quando teve a plena consciência de que era mortal. O vício, no entanto, acabou com o segundo casamento de 19 anos do ator com uma produtora de cinema. "Não há como recuperar tudo que perdi", disse melancólico.


Nenhum comentário:

Postar um comentário