09 julho 2011

Álcool e seus males invisíveis


Os males 'invisíveis' do álcool


A molécula que compõe o álcool utilizado para fabricação das bebidas alcoólicas tem como característica ser muito menor que outras e, portanto, atravessa com facilidade qualquer membrana do corpo, atinge todos os órgãos e interfere na maior parte dos processos naturais.
O efeito psicológico, por si só, já é causador de mortes, acidentes e desagregação familiar suficientes para que o fato de o combate ao álcool, principalmente entre jovens menores de idade,  ser uma das prioridades da atual gestão da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.

Mas o que poucos sabem é que o álcool faz muito mal também para os que o utilizam de forma contínua. São pelo menos 12 doenças crônicas ou graves que podem ter como estopim o uso do álcool, entre elas algumas capazes de matar, como cirrose, hepatites alcoólicas e úlcera.   O consumo abusivo pode durar muitos anos e a mudança deste estado para a dependência ocorre de forma tão sutil que passa despercebida.

A dependência do álcool é uma doença adquirida pela repetição de um hábito. Trata-se de uma doença crônica, porque consiste de uma alteração fisiopatológica que, depois de instalada, é irreversível, podendo ocorrer recaídas mesmo após longos períodos de abstinência. Esta doença consiste na busca compulsiva e incontrolável, em que o uso do álcool persiste apesar das consequências negativas para o indivíduo.

Existe um teste simples para identificar o alcoolismo. Alguma vez você sentiu que deveria diminuir a quantidade de bebida ou parar de beber? As pessoas o aborrecem porque criticam o seu modo de beber? Sente-se culpado pela maneira como costuma beber? Costuma beber pela manhã para diminuir o nervosismo ou a ressaca? Se as respostas às  perguntas for "sim" para ao menos duas delas, vá a um especialista. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário