15 julho 2011

Álcool e trabalho - Canteiro de Obras


Álcool no Canteiro de Obras 
Conheça os perigos desse hábito que pode virar doença


Baixa produtividade, má qualidade do trabalho, ausências, atrasos constantes, discussões e brigas, podem ser indícios de uso do álcool no trabalho. Isso deve ser evitado ao máximo, pois a construção civil é cheia de situações de risco, mesmo para quem está sóbrio. E vale lembrar que até uma dose é o suficiente para deixar a pessoa tonta, incapacitada para as atividades na obra, pronta para provocar ou sofrer acidentes de trabalho.

O pior é quando isso se torna um hábito, o que pode levar facilmente ao alcoolismo, considerado uma doença, que se caracteriza por compulsão pela bebida. Com o passar do tempo, a pessoa bebe cada vez mais, e não consegue ficar nem mais um dia sem ingerir álcool. Sem a bebida começa a ter tremores, convulsões, alucinações, podendo evoluir para o coma e a morte. O indivíduo que bebe de vez em quando pode provocar situações desagradáveis, mas entende o perigo e evita cair na mesma situação novamente.

Apesar do perigo, infelizmente, o problema é comum nos canteiros. Para muitos a bebida acaba funcionando como um "remédio" contra o estresse, o cansaço e a falta de perspectivas profissionais. O indivíduo bebe e experimenta uma sensação agradável, mas passageira, que dependendo do rumo se transforma em um quadro grave de dependência, com conseqüências físicas, profissionais e emocionais.

Fica violento, irritadiço, o que prejudica a convivência com os familiares e amigos. Além disso, fica vulnerável a uma série de doenças como perda de memória, raciocínio confuso, falta de coordenação motora, convulsões, dores e queimação nos braços e pernas, cirrose, entre outros problemas.

No trabalho, a bebida é um dos maiores causadores de acidentes, pois altera muito a percepção e os reflexos, mesmo quando consumida em pequenas doses.

Doença controlada

O alcoolismo é uma doença sem cura. Mas que pode ser controlada com acompanhamento médico e com apoio psicológico ao doente e a sua família.

O isolamento dos colegas só agrava o quadro, pois causa depressão e dificuldades de relacionamento. "O alcoólatra não deve ser marginalizado e perseguido pela falta de compreensão da doença que apresenta", orienta Dr. Sergio Rubens Leme de Souza, médico do Programa Saúde na Empresa, da Diretoria de Assistência Médica e Odontológica do Sesi-SP.

Embora fatores genéticos e sociais contribuam, algumas pessoas são mais susceptíveis a desenvolver a doença. Mas entre um gole e outro vale lembrar que existe uma diferença grande entre beber socialmente e ser um alcoólatra. O dependente necessita da bebida para levar seu dia adiante. Ele simplesmente não consegue ficar sem beber.

Se você apresentar sintomas dessa doença, não se envergonhe. Procure ajuda urgentemente. Identificar a doença e as suas causas são os primeiros passos para controlá-la.

Atenção e cuidados

Exames médicos periódicos costumam promover diagnósticos mais precisos quanto à tendência do operário à doença.

De acordo com Jolivan Lopes Galvão, instrutor de treinamento do Senai Tatuapé, uma das maneiras de identificar se o trabalhador está embriagado é durante o chamado DDS (Diálogo Diário de Segurança).

Caso seja percebida alteração no seu comportamento, o operário deverá ser afastado de qualquer atividade de risco e ser orientado a buscar ajuda.


Quedas - Com o álcool, é mais fácil ficar tonto, tropeçar e cair ao trabalhar em altura ou em escavações. A ingestão de álcool leva ao descuido, com utilização incorreta dos EPIs.
Choque elétrico - Por estar com a atenção prejudicada, o trabalhador pode pegar em fios descobertos e em outros pontos de corrente elétrica.
Ferimentos - Com o uso do álcool, fica mais fácil se ferir com as ferramentas de uso na obra como martelos, pregos, arames, partes móveis de equipamentos e máquinas.
Intoxicação - Alcoolizados, os trabalhadores facilmente podem se intoxicar com produtos perigosos, tais como gases, poeiras, vapores de produtos químicos, tintas, solventes, levando a conseqüências quase sempre graves.
Sinais do uso de bebidas alcoólicas

» Lentidão;
» Não realização de tarefas determinadas;
» Acidentes no trabalho e fora desse;
» Queda de produção e qualidade;
» Constantes faltas ou atrasos;
» Saídas freqüentes durante o horário de trabalho;
» Acidentes na execução do trabalho;
» Constante alteração de humor;
» Mentiras e endividamentos com os colegas;
» Pouca preocupação com a aparência e higiene pessoal;
» Nega que bebe ou que usa drogas, se abordado;
» Estado de excitação, euforia e aumento de energia física;
» Tremores nas mãos e cãimbras;
» Apresenta inchaço, vermelhidão no nariz e no rosto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário