30 setembro 2011

Alcoolismo - Dicas para manter seu filho longe do álcool



Dicas para manter seu filho longe das drogas e do álcool

fonte
Clínica Grand House


Existe uma lei que proíbe o consumo de álcool a menores de 18 anos. E, sendo lei, deveria ser respeitada também dentro de casa. A lei não existe em vão: o organismo do adolescente reage de maneira distinta ao do adulto. Em excesso, o álcool e outras drogas podem levar a danos no cérebro que acabam danificando a memória e o aprendizado. Como o álcool e outras drogas agem em todos os neurotransmissores cerebrais, ele atrapalha todo esse processo. O adolescente fica muito mais predisposto a ter problemas de percepção e discernimento e, por isso, não consegue distinguir situações de risco, acaba tendo dificuldades no trabalho, nos estudos, e assim por diante.
Mas, uma cervejinha ao adolescente causa tantos danos?
Um dado alarmante é que pesquisa indicam que o inicio da utilização de substâncias ilícitas geralmente ocorre entre as idades de 13 a 16 anos. 50% dos estudantes entre 10-12 anos já usaram bebidas alcoólicas. O risco é em torno de 200% maior do uso de cigarros, álcool e outras drogas entre a 8ª serie e 2º ano do ensino médio. O risco de usar maconha é 65 vezes maior para pessoas que fumam ou bebem. O risco de usar cocaína é 104% maior para pessoas que usam maconha. Portanto, uma cervejinha combinada com outros fatores de risco, podem sim causar danos ao adolescente.
Os danos podem tornar-se irreversíveis e podem deixá-los mais propensos a serem adultos com dependência química.
E o que tem os pais a ver com isto?
O problema é que muitos pais toleram uma bebidinha dos filhos, e o que é pior, às vezes, até oferecem – afinal já estão se tornando “quase” adultos.
Como especialista no assunto, já tive contato com pais que, às vezes, chegam ao consultório aflitos porque o filho fuma um cigarro de maconha, porém acham normal que ele tome um porre todo fim de semana. 
Porque os jovens caem no excesso?
Existem várias causas, que podem ir desde até a curiosidade, a tendência a repetir modelos dos adultos, dos amigos, a solidão, a carência, a necessidade de afirmação, a necessidade de aventura ou de correr riscos, a busca de algo que sirva para modificar suas emoções, falta de perspectiva, fuga de situações caóticas e até o mau exemplo ou maus tratos em casa, originado pelos próprios pais.
Mas, afinal o que devemos fazer para manter nossos filhos longe do alcoolismo e da adicção a outras drogas?
  • Em primeiro lugar, dê o exemplo. Beba com muita moderação, ou melhor: se possível, evite beber na presença do seu filho.
    O que seria beber com moderação? O limite do saudável, para adultos de peso e de estatura médias e sem doenças crônicas, é de três copos de vinho, ou três latas de cerveja ou 250 ml de destilados. Para mulheres, dois copos de vinho ou duas latas de cerveja.
  • Não permita que menores bebam, nem em ocasiões especiais como a festa de casamento de um parente ou natal e ano novo. Explique que é bebida de adultos e que deve ser ingerida com muito controle.
  • Jamais peça para o seu filho adolescente ir à padaria ou bar lhe comprar qualquer tipo de bebida, seja em virtude de festa ou qualquer outro motivo. Quando ignora isto, você abra a porta para que eles também experimentem.
  • Ajude seu filho a superar suas dificuldades através do afeto, esteja presente na sua vida, faça-o sentir-se amado.
  • Direcione seus filhos ao esporte e atividades artísticas (canto, música etc) – atividades físicas e artísticas são uma boa saída e proporcionam sensação (saudável) de prazer – além de ocupar a mente e seu tempo.
  • Deve ser dada à criança e ao adolescente a possibilidade de aprender a ser independente na hora certa e ter responsabilidades – porém sem pressioná-la além das suas capacidades.
  • Os pais devem mostrar apreciação e interesse em relação às coisas que os seus filhos estejam fazendo, mesmo que pelos padrões deles, elas não sejam tão interessantes ou importantes.
  • Saiba com quem seu filho anda, os lugares que freqüentam, os amigos que o rodeiam. Busque conhecer melhor os amigos do seu filho e os pais deles. Só no convívio é possível descobrir se algum consome drogas. Não aconselho aos pais a quererem fazer “parte” da turma e se infantilizar. O papel dos pais é colocar limites, acolher e monitorar os filhos.
  • Tenha um ambiente saudável em casa. Se em seu lar não existe respeito, se existe violência, grandes conflitos ou qualquer tipo de situação caótica, está na hora de rever tudo isto e mudar esta situação – antes que seja tarde.
  • Procure não deixar que sua família se torne um “grupo de estranhos” que só estão próximos fisicamente. Mantenha proximidade com o seu filho, converse, participe da vida dele.
  • Seu filho não precisa ter tudo o que ele quer, precisa aprender a lidar com a frustração para criar maturidade e aprender a valorizar seus ganhos.
  • É importante a orientação e valorização espiritual, pois ela é muito para ajudar seu filho a não cair na cilada das drogas. A religião pode significar um sistema representacional de fé e dogmas consistentes, por meio do qual uma pessoa busca conduzir  sua vida de conduta de maneira mais espiritual.  Segundo Carl Young, ao exercer a religiosidade, o indivíduo busca um objeto de “culto” para que ele possa decolar a sua energia e exercer a sua devoção. Aconselhamos a todos que pratiquem a espiritualidade tanto na vida pessoal quanto no meio terapêutico, pois sabemos que é não possível dissociar a alma, o corpo e o espírito.
  • Fique alerta a mudanças de comportamento do seu filho: perda de peso, deterioração do relacionamento com a família, queda no rendimento escolar, irritabilidade sem motivo, isolamento, sumiços repentinos, variação do humor, letargia, apatia, desinteresse – estes podem ser claros indícios da dependência química já estabelecida.
Se você realmente detectar que seu filho está consumindo álcool ou drogas, não perca tempo, não deixe o problema se agravar. Busque auxílio imediatamente, seja com especialistas do setor, como em grupos de ajuda ou clínicas especializadas.
Sergio Castillo
Diretor Terapêutico Clínica Grand House



Um comentário:

  1. Ok realmente tem que se manter longe do alcool as vezes ezaxerava na bebida e isso não foi nada bom só tive prejuizo e machuquei muitas pessoa que realmente me ama de verdade minha mãe irmao amigos...

    ResponderExcluir