28 setembro 2011

José Luiz Datena e o Alcoolismo


José Luiz Datena

"Adoraria ter um infarto e empacotar agora"
Apresentador diz que quer morrer, assume a culpa pelo envolvimento do filho com drogas e conta que foi alcoólatra e infiel
ELE GRITA E FALA GROSSO
Até as crianças têm receio de pedir para
fotografar ao seu lado: “Sou um bruto
que procura a lapidação”
 



ISTOÉ -
 Por que tatuou Cristo no antebraço?
JOSÉ LUIZ DATENA
 Tive de passar por uma cirurgia, há cinco anos, por conta de um tumor no pâncreas e foi cortado metade do meu pâncreas e extraído o baço. Os caras (médicos) me salvaram a vida, mas me f... pra c... Tomei morfina e o c... Tatuei porque os caras lá de cima me ajudaram mais ainda. Eu tinha certeza de que iria morrer. Ao acordar da operação, vi um p... rasgo na barriga, sonda em todos os orifícios. Foi uma operação de 12 horas, perdi 25 quilos em dez dias, um negócio.
ISTOÉ -
 E até hoje o sr. faz algum acompanhamento?
JOSÉ LUIZ DATENA
 Nunca mais entrei no hospital. Teria de fazer exames a cada seis meses. Fui para o hospital sem ter p... nenhuma e os caras cortaram metade da minha barriga, quase morri, a minha qualidade de vida piorou pra c..., a minha libido. Só vou para hospital se estiver desmaiado. Fujo para c...! Mas preciso operar uma hérnia. Ela apareceu porque voltei a trabalhar com o dreno pendurado. No buraco do dreno nasceu a hérnia.
ISTOÉ -
 Não tem medo de morrer?
JOSÉ LUIZ DATENA
 Adoraria ter um infarto e empacotar agora. Se Deus me perguntasse se eu preferiria morrer hoje de noite ou viver mais 30 anos, eu escolheria a primeira. Porque tenho a mente em paz e iria tranquilo. A existência não se mede por cronologia, mas por qualidade de vida e pelos seus atos. O tanto que já bebi, sempre fui um alcoólatra até não poder beber mais... já sou um sobrevivente, não devia ter passado dos 50 anos. Estou numa hora extra monstro! O problema não é a morte, mas o que passei no hospital.
ISTOÉ -
 Houve um tempo em que você e sua esposa ficaram separados.
JOSÉ LUIZ DATENA
 Nos separamos por três anos, tive dois filhos com outra mulher, depois voltei com a Tide e ela me aguenta até hoje. Atualmente, sou muito calmo. Mais moleque, era terrível, saía com a putaria e chegava tarde em casa. Estamos 40 anos juntos. Casados, há 33.
ISTOÉ -
 O sr. cortou bebida e cigarro por conta do seu filho Vicente...
JOSÉ LUIZ DATENA
Parei de beber e fumar por causa do moleque (que foi viciado em crack por seis anos)
ISTOÉ -
 O que aprendeu com a recuperação do seu filho?
JOSÉ LUIZ DATENA
Foi a minha maior conquista. Não dá nem para dizer.
ISTOÉ -
 Em qual esfera essa experiência o tornou uma pessoa melhor?
JOSÉ LUIZ DATENA
Eu tirei a seguinte lição: jamais se deve abandonar um filho que tem problemas com drogas, jamais devemos considerar isso um crime. Criminoso é quem vende, o canalha que tira a pessoa da sua casa. Desse eu tenho ódio mortal. Ele se disfarça de boa gente e arrebenta a sua família. A lição que tirei é que você tem de amparar... não só depois, mas para tentar evitar. Eu não tinha um contato (com o filho Vicente) porque viajava a semana inteira para ganhar dinheiro.
ISTOÉ -
 Está assumindo a culpa?
JOSÉ LUIZ DATENA
Meu filho não tem nada a ver com isso, a culpa toda é minha. A minha ausência levou meu filho ao vício das drogas. Não tenho dúvida. Eu saía de casa na segunda-feira, voltava na sexta e ficava só no sábado. Domingo voltava a trabalhar.
ISTOÉ -
 Como convive com essa culpa?
JOSÉ LUIZ DATENA
Muito do meu comportamento agressivo se deve a esse período. Foi terrível. Minha mulher e meu filho queriam se matar. Sou um cara arredio, punk, por isso. Falar sobre isso mexe comigo. É evidente que ainda não exorcizei esse fantasma. Por que acha que tenho pavor de bandido, grito e esperneio contra o tráfico? Isso é uma raiva incontida que nunca ninguém irá tirar do meu peito! Fiquei mais xarope do que era. Graças a Deus, a recuperação do meu filho compensou tudo isso. Vicente está casado, tem filho, formou-se em direito e mora em Goiânia. Eu digo: as pessoas têm de ter esperança.
ISTOÉ -
 Como se enxerga como pai?
JOSÉ LUIZ DATENA
Fui um péssimo pai. Sempre fui ausente, distante. Mas procurei seguir Gandhi, que dizia que o ser humano é o único capaz de mudar em vida a sua existência. Hoje, compenso conversando bastante com eles. Como avô, sou fantástico! Viajo para vê-los (tem três netos), os levo para shopping.
ISTOÉ -
 Poderia se autodefinir?
JOSÉ LUIZ DATENA 
 Sou um cara do bem que nunca acordou pensando em ferrar alguém. Mas amealhei inimigos pela minha forma de ser. Não faço concessões morais, no trabalho, para patrão, trato as pessoas de forma igual. Procuro andar o mais próximo da verdade. Posso ter omitido algumas coisas na vida, mas nunca menti. Gostaria de ser mais maleável no trato com as pessoas. Se pudesse voltar no tempo para me corrigir, o faria em relação ao temperamento. Mas no cômputo geral, me lembro de ter pedido mais desculpas do que brigado. E sou um bruto que procura pela lapidação para terminar bem a vida. Queria, realmente, terminar a minha vida em paz.






2 comentários:

  1. Tenho total admiração por Datena e é raro encontrar alguém tão sincero e que não teme ser o que realmente é..Sem máscaras

    ResponderExcluir
  2. Vc é demais vejo a sinceridade no seu rosto. Vc é um ícone e parabéns pelo seu filho, adoro o seu programa, sem vc não teria graça, ainda bem que está melhor, isso é porque Deus conhece seu coração.

    ResponderExcluir