17 outubro 2011

Álcool : Prazer ou Droga ?

fonte
O Questionador



ÁLCOOL: Prazer ou Droga?

Não se deixe enganar: Bebida alcoólica não é um instrumento de auto-afirmação, nem de auto-ajuda, é uma droga que chega de mansinho, se instala, suga suas energias físicas e psíquicas, vicie e mata, a você e/ou as pessoas que você mais ama.

O QUE É?

1 - É considerado uma droga, e não um calmante. Seu efeito imediato é de produzir uma certa euforia, mas logo segue uma depressão do sistema nervoso e ocorre uma sedação. Passando esse efeito, ocorre o que podemos chamar "efeito rebote", e a pessoa volta a ficar tensa.

2 - É um depressor, se a pessoa estiver triste a tendência é que sua tristeza piore. O mesmo vale para o sono, o álcool causa uma sedação que pode levar a pessoa a dormir. Mas a qualidade do sono é muito ruim, isto é, não vai fazer com que a pessoa descanse. Assim que o afeito do álcool passar a pessoa vai acordar.

3 - A Organização Mundial de Saúde declarou o alcoolismo como uma doença progressiva, incurável e fatal, mas é controlável (se o alcoolista parar que beber)

O QUE LEVA AO ALCOOLISMO

Abuso do álcool quando uma pessoa utiliza, mesmo que não constantemente, álcool em quantidade suficiente para causar problemas de saúde ou de outra espécie, como brigas e acidentes automobilísticos. Mesmo sem ser dependente do álcool, uma pessoa que utiliza o álcool sem moderação pode ter complicações tão ou mais sérias que os alcoólatras. Alcool é uma droga como a heroína, a cocaína e o crack. Por quê? Porque vicia, altera o estado mental da pessoa que o utiliza, levando-a a atos insensatos, muitas vezes violentos.

PORQUE SE BEBE

1. Fugir dos problemas e/ou frustrações do dia a dia, Desinibidor (bebem para se soltar, se entrosar, conversar, rir e paquerar. Muitos são pessoas tímidas, caladas e introvertidas)
2. Não querer ser “diferente” ou “babacas”, Incentivo dos pais (que bebem e dão aos filhos para que provem), Mídia
3. Normalmente as pessoas que bebem são introspectivas, de baixa-estima, que precisam de um desinibidor para se soltar..

CONSEQUENCIAS DA BEBEDEIRA

• A Organização Mundial da Saúde estima que um, em cada dez adolescentes que bebem, desenvolverá a dependência.
• Dependência psíquica: Lazer só se for com consumo de álcool, tomar iniciativas em experiências afetivas e sexuais só se beber
• Conflitos familiares, Falência moral (humilhações, tombos, cicatrizes, atropelamentos, brigas de bar, acidentes de carro) e financeiras (dívidas imensas)
• Porta aberta para utilizar novas drogas, Baixa estima de si mesmo
• Fraqueza emocional. A pessoa se torna emotivo, Irritabilidade freqüente e mau humor. Euforia excessiva e/ou depressão profunda, Dentre as funções intelectuais: a memória, a percepção são as mais comprometidas, queda no desempenho escolar, dificuldades de aprendizagem e prejuízo no desenvolvimento. Surgi desconfiança com relação a tudo e a todos e o alcoolista se isola do mundo, Queda da consciência, da memória e da crítica levam a quebra de regras sociais e morais, colocando em risco sua integridade física e da sociedade (ex: excesso de velocidade, assassinatos), alta sujestiabilidade
• Transgressões levando o individuo a cadeia, instituições  comportamentais (Febem) e clinicas psiquiátricas,
• Impotência sexual, interrupção do ciclo menstrual, diminuição dos testículos
• Cânceres do trato digestivo, cabeça, pescoço e pulmões, Pancreatite, aumento da pressão sanguínea podendo levar a derrames, cirrose hepática e a morte

MECANISMOS DE DEFESA DE QUEM  BEBE
Negação : (O mais comum). "Não sou alcoólatra, sou compulsivo. Sei me controlar. Não tenho problemas em decorrência da bebida. Bebo muito pouco".

Justificativa: "Bebo porque gosto, paro na hora que quiser. Bebo para relaxar. Bebo para comemorar. Bebo para esquecer. Bebo para ouvir música. Bebo devido a problemas emocionais. Bebo porque estou estressado. Bebo para me divertir".

Projeção: Todos os sentimentos e a própria vida são vistos apenas no outro. "O outro é quem bebe muito. O vizinho que é alcoólatra, coitado".

Autopiedade: O mundo não me entende. Nada dá certo pra mim. (Faz com que as pessoas sintam pena)

Minimização: "Só bebo vinho. Só bebo final de semana. Só bebo a noite; todo mundo bebe. Só bebo cerveja. Não bebo pinga". (Tenta minimizar os prejuízos)

Intelectualização: Encontram-se justificativas científicas: "Beber vinho faz bem ao coração".

Racionalização: (raciocina-se errado) "Se eu beber só vinho vai estar tudo bem. Se eu parar por um tempo vai ficar tudo bem".

Fuga Geográfica: Muda-se de casa, cidade, de emprego.

O Alcoólatra ou quem faz abuso do alcóol pode encontrar mais justificativas para beber, numa semana, do que o que não bebe encontraria para fazer todas as outras coisas, durante a vida inteira.

CONCLUSÃO

Por mais prazeroso seja o sabor da bebida e o que ela proporciona no momento inicial da bebedeira, as conseqüências para o individuo e para seus familiares, principalmente aqueles com que se convive no dia a dia, são desastrosos, levando o individuo a uma dependência física e psíquica tão camuflada, mas tão devastadora a médio e longo prazo, que por mais difícil que seja parar, VALE MUITO A PENA, pois devolve a dignidade e a auto-estima do individuo.
Vamos então parar? Que tal seguir os seguintes passos:

PRIMEIRO: Deve-se deixar de esquivar de mitos como:
1. Para quem bebia pinga, uma cerveja não é nada;
2. Ele é uma boa pessoa;
3. Ele não bebe sempre;
4. Ele é tão inteligente que não pode ser um alcoólatra;
5. O álcool só atinge homens;
6. Ele bebe para relaxar quando quiser para.


Nenhum comentário:

Postar um comentário