20 novembro 2011

Final de Ano Estimula o Consumo de Bebidas Alcoólicas


Festas de final de ano estimulam crianças e adolescentes a consumir álcool

O alcoolismo na infância é problema social que começa a chamar a atenção da sociedade. Embora se saiba que a influência dos amigos e colegas de escola é fator preponderante para a iniciação no consumo do álcool, muitos pais ainda não se deram conta de que o comportamento familiar é capaz de despertar nas crianças o interesse pela bebida.
Uma pesquisa realizada no Estado de São Paulo em 1999 revelou que cerca de 50% dos estudantes entre 10 e 12 anos já fizeram uso desta droga dentro de casa.
Mais importante do que os números a família precisa estar atenta à forma em que a bebida alcoólica é apresentada às crianças e adolescentes.
Segundo o Dr. Luiz Alberto Chaves de Oliveira (Dr. Laco), médico do Recanto Maria Tereza (clínica para dependentes químicos dos Hospitais São Camilo de São Paulo), as festas de final de ano como Natal e Ano Novo são ocasiões de facilitação do uso da bebida, muitas vezes inconsciente por parte dos pais.
“O uso exagerado das bebidas em festas e comemorações dá as crianças a falsa idéia de que o uso de drogas traz alegria e felicidade”, afirma o médico.
De acordo com o Dr. Laco, na sociedade ocidental as festas de final de ano ocupam muitas vezes os ritos de passagem de uma fase para outra, como ocorriam antigamente com as festas de debutantes (no caso das meninas).
Hoje o Natal e o Ano Novo representam uma atmosfera de nova vida. Principalmente, para os adolescentes pode significar a passagem da infância para a fase adulta. “A família deve estar atenta para que as crianças não assistam a comportamentos maléficos para a saúde. De caminhar para a saúde e vida e não para a doença”, diz o médico.
Uma pesquisa da Associação Brasileira de Estudos de Álcool e Drogas (Abead) aponta que as crianças estão começando a beber cada vez mais cedo, entre 11 e 12 anos.
EXEMPLO – Para o Dr. Laco, a atitude dos pais é a melhor forma de educação que existe. Segundo um estudo realizado num hospital em Porto Alegre revelou que 58,5% das crianças que ingeriam regularmente o álcool no ambiente familiar, 100% dos pais e 75% das mães tinham o hábito de beber diariamente. “Até por falta de conhecimento, os pais acreditam que o álcool não é droga e muitos desconhecem que a entrada principal para as drogas é justamente a bebida alcóolica”, alerta o médico.
.: Dê o exemplo “esta é a melhor forma de educação”
.: Dê limites claros do que o adolescente pode ou não fazer
.: Os pais não devem abdicar da função de pai e mãe simplesmente porque o filho protesta. “ao mesmo tempo em que ele protesta ele quer ser orientado”, diz o médico.
.: O consumo de drogas costuma iniciar-se pelas lícitas- álcool e tabaco – e em ambientes familiares: em casa, na escola, na igreja, em eventos familiares etc.
.: Estar atento, sem paranóia e sem achar que vai controlar a vida do adolescente, mas sim ser cuidadoso (saber onde e com quem estão).
.: Evite abuso de álcool nas festas e comemorações
Fonte: Gazeta Press / Placar


Nenhum comentário:

Postar um comentário