16 janeiro 2012

Cérebro e Alcoolismo

Estudo mostra que cérebro dos alcoólatras reage diferente à bebida
12/01/2012
                                                                                 clicar na imagem




                                                                             A maioria das pessoas costuma tomar um drinque ou outro em ocasiões sociais. Mas entre 5% e 10% da população não sabem a hora de parar e, independentemente da situação, sentem uma vontade irresistível de beber. Embora ainda não se saibam as causas primárias do alcoolismo, pela primeira vez pesquisadores conseguiram mostrar que o cérebro dos alcoolistas se comporta de uma maneira diferente, proporcionando uma sensação de bem-estar mais intensa e prolongada.
Em qualquer dosagem maior que 0,02g por 100ml no sangue — equivalente a meia lata de cerveja —, o álcool provoca reações no sistema nervoso central (veja quadro). No cérebro, a bebida libera neurotransmissores na região relacionada à recompensa, trazendo sensações agradáveis. Agora, uma equipe de neurocientistas do Instituto de Pesquisas Ernest Gallo, da Universidade da Califórnia, descobriu como isso acontece e a diferença na forma como o etanol se comporta no cérebro de pessoas que bebem socialmente e daquelas que abusam do álcool.
A principal autora da pesquisa, Jennifer Mitchell, explica que, na superfície dos neurônios, existem grandes moléculas chamadas kappa, delta e mu, que funcionam como receptoras de opioide. “Ópio vem do grego e quer dizer suco de papoula, em referência à planta da qual se extrai esse narcótico”, ensina. Mas os opioides não estão presentes apenas nas flores. “O próprio corpo produz substâncias com mecanismo de ação semelhante. Um exemplo é a endorfina”, diz.
Quando uma pessoa bebe, os receptores de opioides liberam endorfina em um agrupamento de neurônios chamado nucleus accumbens, que faz parte do sistema de recompensa do cérebro, fundamental para atribuir prazer a atividades como se alimentar — caso comer não fosse gostoso, os indivíduos morreriam de fome. Usando o PET scan, exame de imagens altamente preciso, os pesquisadores puderam observar a atividade elétrica durante esse processo.
Mitchell e Howard L. Fields, coautor do estudo, injetaram nos voluntários uma substância que aponta, no cérebro, as regiões receptoras de opioides, incluindo a endorfina. Cada um dos participantes, então, tomou um drinque. O exame mostrou que o nucleus accumbens ficava altamente ativado nesse momento, tanto nos alcoolistas quanto no grupo de controle, e todos eles relataram a sensação de prazer desencadeada.
A diferença ocorreu quando os pesquisadores observaram o comportamento dos neurônios em outra região que faz parte do sistema de recompensa, o córtex pré-frontal, ligado às funções cognitivas superiores. Enquanto, nos indivíduos que bebem socialmente, não houve alterações na liberação de endorfina nessa região; no cérebro dos alcoolistas, os cientistas constataram a atividade intensa do receptor mu. “Basicamente, os neurônios dos dependentes de álcool são diferentes. No cérebro deles, a recepção de opioides e, consequentemente, a liberação da endorfina, ocorre de maneira mais intensa. É essa sensação em seu sistema de recompensa que os fazem querer beber mais”, diz Fields (leia entrevista).
Segundo os neurocientistas, essa é a primeira vez que os padrões são observados em seres humanos. “De uma maneira teórica, já foi postulado diversas vezes que o alcoolismo estaria relacionado à liberação de endorfina. Em estudos com animais, comprovamos o mesmo. Porém, nunca havíamos visualizado isso ocorrendo no cérebro das pessoas”, afirma Mitchell.
O estudo, publicado hoje na revista Science Translational Medicine, abre perspectivas para bloqueadores do receptor mu no córtex pré-frontal. Os medicamentos atuais bloqueiam indiscriminadamente mais de um receptor, fazendo com que as pessoas se sintam apáticas e com muitos efeitos colaterais. “Agora, porém, identificamos o receptor exato que precisa ser bloqueado”, explica a cientista.
Para Sunny Hyucksun Shin, professora assistente de comportamento humano na Universidade de Boston, pesquisas assim são importantes, mas ela ressalta que fatores sociais não podem ser desprezados. Em um estudo com adolescentes entre 12 e 21 anos com histórico de abuso sexual, o risco de beber em binge (consumir álcool de vez em quando, mas em grandes quantidades) é o dobro, comparando-se com jovens que não sofreram qualquer tipo de ataque. “Também precisamos investigar os fatores sociais que estão por trás desse comportamento”, alerta.
Do Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário