29 fevereiro 2012

Abuso de álcool pode influenciar no parceiro !


Pessoas que abusam de álcool podem influenciar parceiro

Um estudo feito pelo departamento de psicologia da Universidade Dalhousie, no Canadá, afirma que pessoas que abusam de bebidas alcoólicas podem levar seus parceiros a fazerem o mesmo.
Para chegar a esses resultados, os autores estudaram 208 casais de namorados, todos na faixa dos 20 anos. Os casais se encontravam, no mínimo, cinco vezes por semana e o tempo de relação era, em média, de dois anos.
Os pesquisadores acompanharam os casais durante 28 dias. Ao longo desse período, os autores perceberam que, quando um dos cônjuges abusava de bebidas alcoólicas, o parceiro quase que automaticamente também abusava do álcool. As chances de o segundo ficar bêbado, inclusive, eram maiores.
Mas os pesquisadores afirmam que são necessários mais estudos para entender essa relação e tirar outras dúvidas.
Entre elas, entender se pessoas que bebem muito naturalmente andam juntas, ou então se o histórico familiar de alcoolismo também influencia a escolha de parceiros.

Álcool apresenta diferentes reações entre mulheres e homens

Nas últimas décadas, observamos cada vez mais a discussão sobre quais os efeitos do álcool em nosso organismo.
Mas um fator importante está sendo deixado praticamente em todo o mundo: o álcool age de diferentes formas no sexo feminino e no masculino.
Junto com a independência das mulheres, pode-se observar também um maior consumo de álcool nessa parcela da população.
Mediante tal cenário, é imprescindível explanar que as mulheres apresentam características fisiológicas que as tornam mais susceptíveis aos efeitos do álcool do que os homens.
Segundo o psiquiatra e especialista do Minha Vida Arthur Guerra, mesmo levando-se em consideração as diferenças entre os gêneros com relação ao peso corporal, uma mesma quantidade de álcool afeta as mulheres mais rapidamente do que os homens.
Isso ocorre porque elas possuem menor quantidade de água no organismo - o que faz com que o álcool fique mais concentrado - e menores níveis das enzimas hepáticas aldeído desidrogenase e álcool desidrogenase, responsáveis pelo metabolismo dessa substância.
"Sendo assim, elas tornam-se mais expostas às consequências do uso de álcool do que os homens, inclusive maior risco de desenvolver abuso ou dependência alcoólica", diz ele.

Durante a gestação

Quando falamos sobre o uso dessa substância pelas mulheres, sempre surge o questionamento sobre os efeitos do álcool durante a gestação.
Por atravessar a placenta, ele pode causar efeitos deletérios no feto, incluindo hiperatividade, déficits de atenção, aprendizado e memória.
Uma vez que não há estudos científicos que definam um limite "seguro" de consumo de álcool, ou seja, que não afete o bebê, a abstinência é a melhor e única recomendação para mulheres grávidas ou que estejam tentando engravidar. Elas não devem, em hipótese alguma, beber.
Independentemente do gênero, o álcool está associado a 60 tipos de doenças e lesões, incluindo prejuízos agudos, como acidentes de trânsito, e crônicos - por exemplo, doenças cardíacas, hepáticas e transtornos relacionados ao uso de álcool (abuso ou dependência).
?Para as mulheres, ainda vale à pena enfatizar algumas consequências do uso nocivo dessa substância: suscetibilidade de sofrer abuso sexual, sexo desprotegido e violência?, conta Arthur.
Nos últimos 20 anos, também tem sido explorada a relação entre o consumo de álcool e o risco de desenvolver câncer de mama, motivo de grande preocupação entre as mulheres.
Pesquisas científicas indicam que mesmo o consumo de 10 g de álcool por dia (aproximadamente o equivalente a 285 ml de cerveja, 120 ml de vinho, ou 30 ml de destilado) aumenta o risco de câncer de mama, sendo que, quanto maior o consumo de álcool, maior o risco.
Segundo Arthur Guerra, as mulheres ainda sofrem um enorme preconceito e são muito mal compreendidas na sociedade - motivo pelo qual geralmente procuram menos serviços de tratamento do que os homens.
"Além disso, comorbidades psiquiátricas são mais comuns em mulheres, isso significa que a dependência alcoólica ocorre concomitantemente a outro transtorno mental, como a depressão, síndrome de pânico ou transtornos alimentares", diz.
Considerando os dados expostos, torna-se evidente que atenção especial deve ser direcionada às diferenças entre os gêneros com relação ao uso de álcool (em especial, as mulheres, mais vulneráveis aos efeitos dessa substância) - tanto em programas de prevenção até o atendimento por profissionais ou serviços especializados


Nenhum comentário:

Postar um comentário