15 fevereiro 2012

Alcoolismo - companheiro de copo

por : LEONARDO RAMALHO





Não se pode falar de alcoolismo sem explorar os efeitos da bebida alcoólica no comportamento humano. Os danos provocados por essa doença não se limitam ao organismo e à mente, atingem profundamente as emoções, os sentimentos e a alma.
A grande maioria das pessoas desconhece a doença do alcoolismo e há tabu em torno do assunto, inclusive no mundo médico. No entanto rara é a família que não tenha ou já teve um de seus membros alcoólatras, ou bebedor_problema.
Os alcoólatras mais comuns são aqueles de finais de semana, que, aliás, começam a beber na sexta-feira e só param no domingo, o que acaba em pileques freqüentes. Essa tendência de querer beber cada vez mais começa na quarta-feira, ou depois de curar a ressaca do último final de semana. A motivação nada mais é que a autoconfiança em baixa e para enfrentar as pessoas de seu convívio, por causa da ressaca moral, ou pelas besteiras que fez durante o pileque. É aí que o desequilíbrio emocional passa a ser companheiro de copo do bebedor_problema. A autoestima começa a entrar em processo de decadência. O vício é apenas um sintoma dessa terrível doença.
Não existe fórmula mágica nem científica para o bebedor_problema parar de beber. A única maneira de interromper o processo destrutivo e decadente do hábito desordenado de beber é o desejo sincero de abandonar a bebida, e evitar o primeiro gole.
Há casos crônicos em que é necessária a hospitalização para recuperação do corpo e da mente. Porém na cura do espírito humano, os acompanhamentos psicológicos têm se mostrado com grande contribuição no equilíbrio emocional do bebedor_problema, antes e depois de abandonar a bebida. Portanto, o alcoolismo é também uma doença da alma, já que afeta profundamente as emoções. Entretanto, quando há a ajuda dos Alcoólicos Anônimos o número de pessoas que voltam a beber diminui extraordinariamente ou o alcoólatra abandona definitivamente a bebida alcoólica.
Evitar o primeiro gole é o princípio e o fim.


MUITAS VEZES O INIMIGO ESTÁ MUITO PERTO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário