07 maio 2012

Álcool na gravidez


Gravidez

Ingestão de álcool na gravidez eleva risco de depressão

Pesquisa da Universidade de São Paulo revela ligação entre o consumo de bebidas alcoólicas e sofrimento psiquiátrico na gestação e no pós-parto

A média de consumo das grávidas pesquisadas foi de 163,7g de álcool nos nove meses de gestação 

O consumo de álcool na gravidez está relacionado ao sofrimento psiquiátrico durante e após a gestação. A conclusão é do estudo "Uso de álcool na gestação e sua relação com sintomas depressivos no pós-parto", da Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto (FMRP).
A psicóloga Poliana Patrício Aliane, autora da pesquisa que analisou um grupo de 177 grávidas, explicou à Agência USP que a ocorrência de depressão em gestantes não tem uma causa única. “São vários fatores de risco que contribuem para o problema”, descreve. “Pré-disposição genética, insatisfação na vida pessoal ou na relação conjugal são alguns desses fatores, e o consumo de álcool vem se juntar a eles”, explica.
O estudo também indica maior prevalência de depressão pós-parto entre mulheres que tiveram ao menos um "binge" alcoólico durante a gravidez. O binge é caracterizado pela ingestão de cinco ou mais doses alcoólicas em uma única ocasião, sendo que uma dose contém 12 gramas de álcool puro. “Uma lata de cerveja, por exemplo, contém uma dose de álcool”, descreve Poliana.
A média de consumo por gestante verificada no grupo pesquisado foi de 163,7 gramas de álcool ou quase 14 doses ao longo dos nove meses de gestação. “Essa é uma quantia elevada se levarmos em conta que o recomendado é que não se consuma nada”, destaca Poliana.
Outra constatação da pesquisa foi o predomínio de sintomas depressivos durante a gestação, e não no pós-parto. Do total de gestantes, aproximadamente 20% apresentaram sintomas de depressão durante a gravidez, ante 14,7% que se mostraram deprimidas no pós-parto.
                                               veja quadro abaixo da Síndrome Fetal



Nenhum comentário:

Postar um comentário