07 maio 2012

Alcoolismo - É complicado até parar de uma vez só


Se o alcoolismo é perigoso para a saúde, parar de beber de repente também é



Apesar de o consumo de bebidas alcoólicas ter sido associado, ao longo do tempo, com a sensação de alegria, um dos seus principais malefícios está justamente no aumento das taxas de cortisol, o chamado “hormônio do estresse”. Mas uma retirada brusca das bebidas na rotina de um alcoólatra pode causar um prejuízo ainda maior ao cérebro, conforme afirma uma pesquisa de instituições inglesas e americanas.
Altas concentrações de cortisol são devidas (entre outros motivos) à neurotoxicidade, uma condição que prejudica a memória, tomada de decisões, atenção e aprendizagem. Beber moderadamente não causa a neurotoxicidade: é preciso ser alcoólatra para chegar a esse ponto.
Estudos anteriores já haviam mostrado que bebedores em recuperação, durante o período de abstinência, apresentam taxas de cortisol ainda mais altas do que aqueles que ainda bebem. Esse índice está relacionado a disfunções mentais que atacam ex-alcoólatras, às vezes vários anos após largarem a bebida. Quando o consumo de álcool é interrompido abruptamente, os níveis de produção de cortisol não se alteram, multiplicando o efeito avassalador que ele causa no cérebro, em excesso.
Assim, os médicos dão o seguinte conselho. Da mesma maneira que um alcoólatra não começou a beber demasiadamente do dia para a noite, e sim foi aumentando a quantidade gradualmente, o abandono à bebida deve também ser gradual.
OBS : CADA CASO É UM CASO, OU SEJA, PRIMEIRO PROCURE SEU MÉDICO PARA ELE ORIENTÁ-LO A MELHOR MANEIRA DE COMEÇAR A DEIXAR O ÁLCOOL.
Não use essa matéria como desculpa para poder tomar bebida alcoólica e dizer que está fazendo o correto.


Nenhum comentário:

Postar um comentário