18 março 2013

O álcool é uma droga !


O álcool é uma droga
Se você gosta de beber, não está sozinho: oito em cada dez pessoas no mundo bebem eventualmente. Segundo o Escritório das Nações Unidas para o Controle de Drogas e Prevenção ao Crime, a ingestão de álcool no Brasil é maior que a de leite. Aqui, o consumo per capita de cerveja é de 49 litros por ano. Parece muito, mas é menos da metade da Alemanha: 131 litros por pessoa, o maior do mundo.
Tudo isso faz do álcool a droga mais consumida do planeta. Espera aí, quer dizer que quem bebe uma cerveja depois do trabalho está se drogando? Do ponto de vista médico, sim, sem dúvida. O álcool age no sistema nervoso central, assim como a maconha, a cocaína e a heroína. O álcool vicia mais que maconha e causa mais danos que todas as outras drogas juntas, se somarmos aí os prejuízos causados por acidentes, conflitos regados a birita e doenças.
O problema relacionado ao álcool tem um nome: dependência química, e quem tem esse problema é conhecido como alcoólatra ou alcoolista (o termo politicamente correto): 12% dos brasileiros têm essa doença (sim, é uma doença reconhecida pela Organização Mundial de Saúde desde 1967). Uma coisa é certa: os dependentes químicos são os que mais sofrem por causa do álcool. Um usuário se torna dependente a partir do momento em que pára de beber por prazer e que passa a transformar cada gole numa forma de aliviar os sintomas de abstinência do álcool – tremores, náuseas, sudorese, ansiedade, pesadelos e até alucinações.
A intensidade da dependência varia de pessoa para pessoa. Mas, segundo a OMS, existem alguns pontos em comum entre elas. No começo, o usuário não bebe todos os dias. Depois, o hábito se torna diário. A bebida já não é mais ingerida só à noite, mas também no almoço. Com o tempo, muitos dependentes passam a beber de hora em hora desde o momento que acordam. O local da bebedeira já não tem mais importância, vale tomar todas no trabalho ou até no trânsito. Sem contar que chega uma hora em que a dose precisa ser aumentada para obter o mesmo efeito de antes.
Esse pessoal é que causa a maior parte dos problemas que se jogam na conta do álcool. Estima-se que a indústria do álcool movimente 3,5% do Produto Interno Bruto no Brasil. Mas o país gasta 7,3% do PIB para tratar problemas resultantes da bebida, da dependência à perda de produtividade. Segundo a Organização Mundial de Saúde, os brasileiros perdem, em média, 11,6% dos anos saudáveis da vida devido ao álcool. Em 1997, cerca de 80 mil internações motivadas pela bebida foram registradas nos hospitais brasileiros.
O corpo também sofre sob o uso abusivo. Saiba que o corpo demora três dias para se livrar do efeito de um porre, ou seja, o raciocínio demora isso tudo para voltar ao normal. Isso quer dizer que, se você bebe o tempo todo, pode não estar entendendo nada há muito tempo. O fígado leva uma hora para processar apenas uma lata de cerveja. No cômputo geral, o uso abusivo é apontado como responsável por 350 doenças físicas e psíquicas catalogadas pelos médicos. Outro dado impressionante: a taxa de suicídio entre alcoólatras é 15 vezes maior do que entre a população em geral.
Mas muitas doenças podem ser causa, e não efeito da bebedeira. Segundo o psiquiatra Dartiu Xavier, na maior parte das vezes a depressão leva ao uso do álcool, e não o contrário. Em uma pesquisa, Dartiu constatou que 77% dos pacientes pesquisados tinham a doença antes da dependência, o que reforça a hipótese de que passaram a usar o álcool como uma espécie de “automedicação” para aliviar os sintomas.
E você? é dependente?
Hoje já existe um consenso entre os médicos a respeito da quantidade média tolerável para o organismo de um adulto. Cada bebida tem um número próprio de unidades de álcool. Uma lata de cerveja, por exemplo, possui 1,5 e uma dose de destilado, 2,5 unidades. Segundo os especialistas, as mulheres devem se contentar com 14 unidades por semana (cinco doses de uísque) e os homens com 21 (oito doses). A diferença deve-se ao fato de as mulheres terem de três a quatro vezes menos enzimas responsáveis pela metabolização do álcool no organismo que os homens. Mas não adianta tentar se enganar. A quantidade estipulada como de baixo risco vale para uma semana inteira. Tomar todas as doses em um único dia pode gerar inúmeros problemas.
Mas por que algumas pessoas têm problemas com o álcool e outras não? Não existe um único motivo. Há, por exemplo, um gene que predispõe ao alcoolismo. Estudos apontam que filhos de alcoólatras têm quatro vezes mais chances de se tornarem dependentes (chance e não certeza, é bom deixar claro). Em média, 20% dos casos de alcoolismo têm origem genética. Mas o parentesco não é o único fator determinante.
Também entram na conta a idade em que se começa a beber, as características psicológicas e o ambiente. No livro O Alcoolismo, o psiquiatra Ronaldo Laranjeira e a psicóloga Ilana Pinsky contam que muitas brigas familiares estão associadas à maior possibilidade de desenvolvimento de abuso de álcool por parte dos adolescentes. “Pode-se afirmar que o alcoolismo se desenvolve com mais freqüência em famílias cujos pais impõem limites muito tênues (ou não os impõem) aos filhos”, dizem os autores.
Outro motivo é a propaganda de bebidas na televisão. Três estudos feitos com jovens da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, esquentam os debates. Em dois deles, os pesquisadores concluíram que a propaganda de cerveja tem influência direta na quantidade de álcool consumida. No outro, mostraram que o gosto por um comercial específico de cerveja implica fidelidade àquela marca.
O fato é que a dificuldade de enfrentar problemas comuns a todos nós leva um bom número de pessoas a se renderem aos encantos do álcool de forma abusiva. Para esses, restam alternativas. O primeiro – e mais importante – passo é querer ajuda. O resto... só o tempo dirá.



Nenhum comentário:

Postar um comentário