02 janeiro 2014

Marinho Chagas e o alcoolismo


Marinho Chagas
quer vencer 'jogo' contra alcoolismo

'Quero estar na inauguração da Arena das Dunas, junto com a presidente Dilma, para dar o pontapé inicial', diz ex-lateral da Seleção Brasileira


Marinho Chagas enfrenta uma batalha contra o alcoolismo há muito tempo. Por isso, decidiu pelo tratamento para desintoxicação. E apesar de dizer que está se recuperando bem, ele admite que o consumo excessivo de álcool prejudica, inclusive, o seu convívio com amigos e familiares.
- O álcool é o princípio de tudo. A bebida é o início de tudo. Você fica bonito, fica rico, valente, procura coisa errada. Você falta com respeito com a família, com amigo. Então, eu estou querendo parar de beber. Já estou conseguindo. Já estou com 15 dias, não estou tremendo, apesar de não estar tomando remédio especial para bebida. Eu estou descansando - desabafa.
Quarenta anos depois de brilhar na Copa de 74, o lateral faz questão de dizer que está firme, forte e pronto para ser o embaixador de Natal na Copa de 2014.
- Se botar um gladiador aqui, eu derrubo. Do jeito que eu estou aqui, há 15 dias só treinando karatê e judô... Em 2014 eu estarei na Copa dando o pontapé inicial junto com Pelé, (Michel) Platini e (Franz) Beckenbauer - brinca.
Marinho também fez questão de agradecer pela corrente positiva criada por todo o Brasil desde que foi internado.
- Queria dizer para o meu público que não se preocupe. Agradeço as orações. Deus ilumine todos vocês que torceram por mim e que rezaram por mim mais uma vez - encerra.
Craque
Marinho Chagas e Jérome Valcke, Copa do Mundo (Foto: Canindé Soares)Marinho e Jérome Valcke, secretário-geral da Fifa,
em encontro em Natal (Foto: Canindé Soares)
Depois de encantar potiguares e pernambucanos com as camisas de ABC e Náutico, Marinho chegou ao Botafogo em 1972. Na Copa de 1974, na Alemanha, foi eleito o melhor lateral-esquerdo do mundo, mesmo após a eliminação da Seleção Brasileira na fase semifinal do torneio, após a derrota para a Holanda. Também teve passagem de destaque por Fluminense e São Paulo.
Marinho Chagas ainda foi parceiro de Pelé no fim da década de 70, no New York Cosmos, dos Estados Unidos. Ao lado deles, alguns dos maiores jogadores da história formaram o time dos sonhos de muitos apaixonados por futebol. Franz Beckenbauer, Carlos Alberto Torres e Johan Neeskens eram algumas das estrelas daquele timaço. De chuteiras penduradas há mais de duas décadas, o ex-jogador foi nomeado embaixador da Copa do Mundo 2014 na capital potiguar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário